O QUE FAZEMOS

Metodologia

A Ser Especial utiliza uma tecnologia social própria – a inclusão monitorada – que consiste no acompanhamento nos processos de recrutamento, capacitação, seleção e suporte pós-contratação, objetivando uma maior retenção da pessoa com deficiência no trabalho.

Essa metodologia tem como base o trabalho desenvolvido em parceria com o Colégio Paulicéia, considerado referência em inclusão escolar, atende cerca de 620 alunos, sendo 25% com algum tipo de deficiência.

Com sólida base socioeducativa, a Ser Especial tem por objetivo a capacitação de pessoas com deficiência, através da valorização das habilidades e competências, o desenvolvimento da autonomia, sempre respeitando seus limites e conduzindo-as ao exercício pleno da cidadania.

Possibilidades de inclusão no mercado de trabalho

Lei de Cotas

Hoje, amparados pela Lei de Cotas, as pessoas com deficiência veem seu direito de inclusão no mercado de trabalho assegurado


Parcerias

Em parceria com empresas, a Ser Especial encaminha e acompanha a inclusão da pessoa com deficiência pelo sistema de cotas (Lei Federal 8.213/91 regulamentado pelo Decreto 3.298/98), em consonância com a Convenção dos Direitos da Pessoa com Deficiência e com a IN 98/12 do MTE, nas modalidades de contratação competitiva, seletiva e programa de aprendizagem profissional, previstos pela legislação (Lei Federal 10.097/00).

Cenário do Mercado

Estamos vivenciando um momento impar em nosso país, de investimento em Responsabilidade Social. Muitas empresas querem associar sua marca a projetos sociais que atinjam resultados positivos e sejam comprovadamente casos de sucesso, visando não somente conquistar o reconhecimento do mercado, como também obter o compromisso com seus stakeholders, alinhando investimento social e contribuindo na formação de uma sociedade mais justa.

Estima-se que mais de 650 milhões de pessoas vivam com algum tipo de deficiência, algo em torno de 10% da população mundial (OMS 2009).

No Brasil, cuja população é de 200 milhões de habitantes, há 45 milhões de pessoas com deficiência, sendo que 11 milhões com capacidade laboral comprovada e apenas 1,5 milhão de vagas a serem preenchidas pela Lei de Cotas.