Teste seus conhecimentos sobre diversidade

[Para cego ver] Imagem traz ilustração de figura humana segurando lápis do tamanho de seu corpo e mirando uma prancheta com um check-list, também em tamanho aumentado. Predominam as cores azul e amarela.

[Para cego ver] Imagem traz ilustração de figura humana segurando lápis do tamanho de seu corpo e mirando uma prancheta com um check-list, também em tamanho aumentado. Predominam as cores azul e amarela.

Nas empresas e entidades que guiam processos de inclusão nas organizações, para garantir maior diversidade na equipe, são trabalhados grupos (ou comitês) de afinidade ou ERG (Employee Resource Groups). As empresas verdadeiramente inclusivas não deixam nenhum deles de fora. Saiba quais são os principais:

– Diversidade geracional: Ao qual se reservam as políticas inclusivas que visam à representatividade de diferentes grupos etários numa empresa, favorecendo a troca cultural entre elas, num ambiente de equilíbrio e aprendizado mútuo que só enriquece a cultura organizacional.
– Orientação sexual: Políticas com este grupo devem combater a homofobia no ambiente de trabalho e garantir acesso dos profissionais LGBTQIAP+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, intersexuais e outros) ao mercado de trabalho, de forma equitativa em relação a outros grupos representativos. De acordo com pesquisa recente do LinkedIn, 35% dos profissionais entrevistados já sofreram algum tipo de discriminação velada ou direta no ambiente de trabalho ao assumir sua orientação sexual.
– Diversidade de gênero: Valoriza uma forma mais equitativa de inclusão de homens e mulheres. O trabalho neste grupo visa corrigir, além das disparidades dos dados de acesso às vagas, a diferença salarial entre gêneros. No Brasil, segundo dados de novembro de 2020 do CAGED, do Ministério do Trabalho, o número empregos formais ocupados por mulheres caiu 4,7% em relação a esses postos ocupados por homens. Dados do IBGE sinalizam que as mulheres ainda ganham 20,5% menos do que homens.
– Etnia: Num país de população composta em 56% de negros autodeclarados, eles ocupam apenas 5% dos cargos gerenciais e têm mais dificuldade de acesso ao trabalho formal e formação acadêmica (dados do IBGE e Instituto Ethos). O comitê étnico visa trazer para a cultura organizacional a contribuição afrodescendente e de todas as etnias que compõem a sociedade brasileira, bem como corrigir a disparidade de acesso aos postos de trabalho e representatividade de cargos.

Fonte: FIA/USP